Às mulheres
25 de janeiro de 2017
Período fértil
13 de fevereiro de 2017
Exibir Tudo

Oi, pessoal! Como vamos?

Por aqui, penando pra entreter Vicente neste finzinho de férias escolares. O bichinho tem muita energia e a cada dia temos que inventar uma programação, convocar amiguinhos… Haja fôlego!

Ele já tá naquele momento com saudade da escola. Difícil vai ser colocá-lo pra dormir mais cedo porque nesse mood férias, ele tá igual a um adolescente! Acordando 11:30!

Hoje vim aqui contar um pouco da minha experiência em viagens com o Vicente.

Ô gente, viajar com esses pequenos é missão para os fortes. Quando você começa a fazer a mala, já vai batendo um leve arrependimento! Hahaah!

É sério! Eu sempre odiei fazer a minha própria mala, mas a logística com criança é ainda mais complexa. Tem que lembrar do protetor solar, do repelente, do boné, da camiseta com proteção UV, dos brinquedos favoritos, do livro favorito, da farmacinha com os remédios, para eventuais emergências (eu tentando disfarçar usando o termo “farmacinha”, sou mega exagerada e levo a farmácia inteira, confesso). Olha, né mole, não.

A parte da locomoção pra mim é a mais cansativa. Ir de carro até o aeroporto, pegar o avião, translado etc etc.

Quem tem criança deveria ter direito a se teletransportar. Sério mesmo. Muita fadiga seria economizada.

Bom, o perfil aqui de casa é buscar viagens confortáveis. Não tenho estrutura pra acampar com ele (na verdade, nem sozinha, rs). Parte de mim acha que deve ser o máximo acampar, mesmo! Mas eu não sou essa pessoa. Gosto mesmo de uma caminha confortável, com travesseiro digno. E por via das dúvidas, levo o meu pra não ter erro!

Sou fã de quem se aventura pelo mundo com os pequenos e um mochilão, já inclusive falei sobre isso aqui. Mas eu preciso ir para lugares que me deixem minimamente seguras.

Não topo ir aonde o vento faz a curva com o Vivi, sou medrosa, penso sempre que algo pode dar errado.

Viajamos muito menos do que gostaríamos (sempre falta grana ou planejamento) e essa é uma meta a ser mudada este ano aqui na nossa família.

Quando chega um filho, é fácil se acomodar em casa, onde você tem conforto, tudo à disposição. E assim, criança gosta de rotina. Essa é uma verdade inegável. Não duvido que existam por aí mini aventureiros, mas em sua maioria, eles querem saber mesmo do que é conhecido, de segurança.

Nestas férias, viajamos para Foz do Iguaçu. Vicente tava numa animação louca pra voar de avião (já tinha voado duas vezes antes, mas como era pequeno, não se lembrava), pra fazer os passeios e tal. Mas quer saber a real? O dia que ele ficou mais feliz, foi quando pegamos o avião de volta! Hahahaah. Sério. Sentiu saudade da Princesa, nossa cachorra e não parava de falar dela. Saudades do primo, dos brinquedos, do quarto dele…

Claro que foi divertido, que na maior parte das vezes ele se distraía, que foi ótimo pra nós todos respirar novos ares, mas gostar, gostar mesmo, ele gosta é da casa dele. E essa foi uma constatação que chegamos nestas férias.

Tem outra coisa que percebi, por mais louco que pareça, achei mais fácil viajar quando ele era menor, quando tinha menos vontade própria (o Vicente de 5 anos, tem MUITA vontade própria!), quando era mais leve e dava pra carregar no colo. Sim, porque ele tem 5 anos mas ainda se cansa com facilidade, óbvio. Não rola fazer longas caminhadas, sem parar toda hora pra dar uma sentadinha, tomar uma água e tal.

O passeio das cataratas é lindo, mas foi bastante cansativo pra ele e eu me arrependi de não ter levado um carrinho. Marcelo achou que era desnecessário e acabamos não levando (na verdade, nem temos mais. Teríamos que pedir emprestado), mas lá, percebemos que seria uma mão na roda.

Recomendo muito que repensem o carrinho mesmo com as crianças mais velhas, em viagens com longas caminhadas. Eles são grandes, mas são pequenos, se é que me entendem! Rs. Não aguentam nosso ritmo.

Fiquei imaginando a logística das famílias com mais de um filho! Gente, vocês têm meu respeito e admiração!

A viagem mais especial que fizemos foi pra Praia do Forte, na Bahia. Ele tinha 1 ano e meio. Nos demos ao luxo de ficar num resort que parecia um sonho. Totalmente adaptado às crianças, delicioso em todos os sentidos. Essa foi a primeira viagem que fizemos e ela começou de um jeito tenso e engraçado – depois que passou, claro!

Vicente tomou uma mamadeira antes de sair de casa e ficou enjoado no táxi, a caminho do aeroporto Galeão. O motorista dirigia meio rápido e chegando lá, ele vomitou o carro do cara inteiro. Gente, que horror! Era eu tirando lenço umedecido de um lado pra limpar o carro do homem, Marcelo tentando limpar o Vicente, a gente catando as chaves dos cadeados pra abrir as malas no chão do aeroporto e trocar nossas roupas, eu dando banho na pia do banheiro nele, todo vomitado! E ainda tendo que administrar o medo que ele estivesse começando um processo de virose, sei lá…

Minha vontade era sentar no chão do aeroporto, chorar e voltar pra casa. Marcelo com a graça de Deus (rs) consegue ficar mais calmo nessas situações, o que às vezes me dá vontade de matá-lo, mas na maioria das vezes é melhor, porque dois pirados juntos, seria over “piration”.

Passado esse susto, embarcamos meio vomitados mesmo e foi demais! Viagem inesquecível. Pra quem se interessar em saber qual é o nome do resort, é o Tivoli Eco Resort.

A segunda viagem que fizemos foi muito maravilhosa também, principalmente porque levamos o Leo, nosso filho emprestado, irmãozão do Vivi, como ele mesmo o chama. O destino foi Porto de Galinhas e fizemos o passeio inesquecível para a Praia dos Carneiros. Lugar mágico, de águas quentinhas e calmas! As crianças amaram! E nós também.

Viagens mais curtinhas de carro já fizemos algumas e é sempre uma boa! Búzios é sempre uma diversão e não nos cansamos de dar uma chegada lá.

Outra ótima pedida para ir com os pequenos é o Hotel Fazenda “Le Canton”, em Teresópolis. Tem cavalo, bichos de fazenda, parque de diversões com roda gigante (AMO roda gigante!), pista de neve, boliche, piscina, é o paraíso das crianças! Passamos um ano novo lá, e foi lá que planejamos o nosso casamento (o oficial, porque casados já éramos há muito tempo). Então pra sempre será um local especial. Pretendemos voltar outras vezes, a diversão é garantida!

Gente, não ganho um centavo com isso, tá? Adoraria, mas já que não ganho, quero deixar claro, hehe.

Agora a ideia é reunir dinheiro e coragem pra encararmos nossa primeira viagem internacional. A ideia é que seja em breve!

Nossa listinha de próximas viagens que queremos planejar é:

– Inhotim

– São Paulo (conhecemos SP, mas nunca fomos com o Vicente e lá tem muita programação legal pra fazer com criança). Além disso, Vicente tem dois primos com idade próxima que moram na terra da garoa.

– Portugal (Marcelo tem família lá, somos loucos pra ir com o Vicente).

Tem uma coisa que é essencial pra viajar com crianças. MUITO mesmo: bom humor. A gente fica mais cansado do que descansa. Isso é fato. Então tem que ir de boa, encarar tudo com leveza e procurar não se estressar.

E no mais, é lindo olhar para o mundo através dos olhos deles. <3

Natália Sambrini
Natália Sambrini
Sou Natalia, mãe do Vicente, roteirista, atriz, produtora, escorpião com ascendente em áries e lua em câncer (pra quem é ligado nos astros), balzaca, brasileira por parte de mãe e paraguaia por parte de pai, carioca da gema, feminista, questionadora, ansiosa, inquieta e insone por natureza... sou coisa a beça! O que eu gosto mesmo é de gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESEJA RECEBER NOVIDADES?
Preencha o formulário abaixo e fique por dentro das novidades do Multiplicamor!
Respeitamos as boas práticas de envio de email e não divulgamos suas informações.